Todo homem sabe que existem diferentes tipos de colarinho, porém, há muitos que ainda não entendem como combinar esse detalhe com o restante do look masculino. Pensando nisso, a gente resolveu preparar este post para mostrar algumas diferenças básicas e, principalmente, para dar dicas fáceis para você escolher aquele que mais combina com o seu estilo.

E aí, vamos conferir e arrasar no visual? Então, continue a leitura e tome nota de todas as dicas abaixo. Vamos lá!

Mas, antes de tudo, o que é o colarinho?

Basicamente, é a parte da camisa que envolve nosso pescoço. No entanto, há uma grande diferença para o que chamamos de gola ou lapela também. A primeira é o que mais aparece nas t-shirts, nas camisetas e nas blusas e também há vários tipos, como gola V, rolê, redonda, entre outros. Já a segunda se encontra mais em ternos e paletós, como uma dobra que vai, praticamente, da altura do pescoço até o meio da barriga.

Mas e o tal colarinho, o que é, então? Esse, no caso, é a famosa “dobrinha” — que pode ser “dobrona” também — nas camisas, geralmente de botão ou polo. Os tipos de colarinhos mudam de acordo com o estilo da peça e seguiram tendências durante o passar dos anos também. Por isso, você precisa conhecer os principais modelos e saber qual é o mais perfeito para o seu estilo. Isso é o que veremos a seguir!

Quais os principais tipos de colarinho?

1. Colarinho inglês

colarinho inglês

 

É bem clássico e requer elegância. Típico de tudo o que vem da terra da rainha, não é? Esse tipo de colarinho se caracteriza pelas pontas mais pontiagudas e alongadas, porém, sempre bem justas e, praticamente, seguindo a linha da gravata. Aliás, esse acessório — a gravata — é fundamental para a camisa que ostenta um colarinho assim. Afinal, trata-se de um estilo mais social, mas que não impede uma certa “quebra” com algumas estampas leves e um sapatênis, por exemplo.

2. Colarinho italiano

colarinho italiano

Powered by Rock Convert

Deixando o frio inglês e partindo para terras mediterrâneas, o italiano é um dos tipos de colarinhos que permitem mais opções de combinações. Afinal, oferece um visual mais casual, mas sem abrir mão da elegância. São menores e mais discretos, geralmente, com as pontas um pouco mais largas e abertas. Caem bem com gravatas, mas seu uso já não se faz tão necessário como o anterior, por isso, dá para se sentir mais à vontade e até desabotoar alguns botões.

Ao usar a camisa para dentro da calça (que pode ser um jeans), lembre-se sempre de combinar o cinto com o sapato (couro é sempre bacana). Se a ideia for algo mais despojado, porém, não há problemas em deixar para fora também e, até mesmo, em investir em um tênis mais descolado, com cores, por exemplo.

3. Colarinho americano

colarinho americano

Do lado das terras do tio Sam, o colarinho é fácil de identificar. Também chamado de button-down, ele se caracteriza por contar com dois botõezinhos nas pontas. Geralmente, são feitos em camisas mais casuais e que dão um ar de modernidade ao homem, pois podem ser fabricadas com estampas, listras ou bolinhas, por exemplo.

Dependendo da ocasião, podem se encaixar bem até com bermudas, desde que o calçado combine também, beleza? Um mocassim ou uma sandália de couro, acompanhados de uma cargo branca e uma camisa de botão azul, com o colarinho mais discreto, podem render bons olhares.

4. Colarinho curto

col

Para finalizar nossa lista de tipos de colarinhos, vamos tratar de uma novidade que começa a ganhar espaço na moda masculina. O chamado colarinho curto é, sem dúvidas, o mais discreto de todos, quase nem aparecendo na camisa. Serve para looks com um visual mais social e, ao mesmo tempo, quebra aquele estilo tradicional. Cai bem com gravatas também mais finas, calças slim e um bom sapato de couro.

Enfim, essas foram nossas dicas sobre os principais tipos de colarinhos, que fazem toda a diferença no seu estilo. Independentemente daquele que mais agrada ao seu gosto e encaixa-se melhor em seu visual, é importante sempre levar em consideração o restante do look, em especial os acessórios, a calça ou a bermuda e, por fim, o calçado.

Curtiu? Então, temos mais uma dica fundamental para complementar este post. Leia também nosso outro artigo e aprenda a dar um nó correto na sua gravata. Boa leitura!