A alimentação, muito mais do que uma necessidade vital, é uma experiência social. Cozinhar e dividir uma refeição com a família e os amigos, além da satisfação de preparar um alimento para pessoas queridas, é uma ótima forma de estreitar vínculos e de socializar.

Uma comida especial pede uma bebida igualmente exclusiva. A combinação certeira cria uma experiência incrível, incluindo sabores únicos e especiais que ficam gravados na memória e no paladar. Por isso o conceito de harmonização de vinho é tão importante.

Definindo harmonização

Harmonizar nada mais é do que combinar bebidas e alimentos, realçando seus sabores e despertando novos estímulos para o paladar. Dessa forma, a composição deve ressaltar o gosto, evidenciando as melhores características do alimento e do vinho, ou proporcionar uma nova sensação, resultado dessa combinação.

No entanto, não é necessário ser um especialista ou um sommelier para fazer harmonização de vinho no dia a dia. Além de alguns vinhos já indicarem no rótulo para quais pratos são adequados, as dicas a seguir podem ajudá-lo na hora de fazer arranjos.

O que considerar no momento de harmonizar vinhos com diferentes pratos

Primeiramente, é preciso definir o vinho que você quer experimentar para só então decidir o prato. Um erro muito comum é primeiro preparar o alimento e daí escolher o rótulo, o que faz com que você acabe tendo que usar o que estiver à mão, em vez do mais adequado.

A forma mais fácil de se harmonizar o vinho com o prato é avaliar o “peso” da bebida. A correspondência é direta. Com isso, considere:

– vinhos mais marcantes para pratos de sabores mais elaborados;

– vinhos médios para receitas de peso médio;

– rótulos leves para pratos menos complexos e mais leves.

A hora da harmonização

Cada alimento combina particularmente bem com determinados tipos de vinho. Veja a seguir algumas harmonizações básicas que são sucesso na certa:

  • tintos: acompanham bem carnes;
  • Vinhos rosés: indicados para massas e frangos;
  • Vinhos brancos: ideais para pratos com frutos do mar e peixes;

– Espumantes: versáteis, são indicados para serem servidos com queijos (azuis e de massa branca), com entradas e aperitivos, ou acompanhando aves, peixes defumados e carne suína.

Mais algumas dicas básicas de harmonização

Para a harmonização, algumas características da bebida que devem ser levadas em conta são a acidez, o amargor, a doçura e o teor alcoólico. Sendo assim:

  • Vinhos cuja principal característica seja a acidez: perfeitos para alimentos ácidos, doces, salgados e picantes;
  • De doçura pronunciada: indicados para pratos amargos, doces, salgados, picantes e ácidos;
  • Com taninos destacados, ou seja, os que têm mais adstringência na boca (ou sensação de secura ou “gosto amarrado”): harmonizam com comidas untuosas e suculentas.

Com dicas práticas e simples como essas, a harmonização deixa de ser um assunto exclusivo de especialistas, fazendo com que você enriqueça suas experiências gastronômicas e surpreenda sua família e seus amigos na sua próxima reunião. Para conferir mais dicas sobre gastronomia e moda acesse nosso blog!