Coceira entre os dedos dos pés, sensação de ardência, surgimento de bolhas e até de rachaduras. Se você reconhece esses sintomas, provavelmente sofre ou já sofreu das temíveis frieiras — ou pé de atleta, como também são conhecidas. Mas, não se apavore. Hoje você dará adeus a esse problema porque vamos ensinar como tratar frieiras nos pés!

A frieira é uma infecção que atinge a pele, geralmente provocada por fungos que podem ter sido transmitidos por superfícies como o chão do banheiro, praias, piscinas ou pelo contato direto com alguém infectado. Apesar de ser mais comum o ataque na região dos pés, o fungo também pode atingir outras regiões do corpo.

Quer descobrir como se livrar desse incômodo? Então, vem com a gente e boa leitura!

O QUE SÃO AS FRIEIRAS?

Como você viu, as frieiras são uma condição provocada por um fungo chamado Tricophyton. É muito comum em jovens, atletas e praticantes de esportes como natação. Afinal, todo ambiente úmido e quente é ideal para sua proliferação.

Esse fungo ataca não apenas os pés, mas outras partes do corpo, como as virilhas e até mesmo o couro cabeludo, provocando queda de cabelo. Além disso, sua ação provoca vermelhidão e uma espécie de descamação da pele, o que causa coceira intensa e mau cheiro característico.

Existem três diferentes formas de manifestação da doença:

  • Mocassim — inflama e descama a pele, tornando a região mais espessa, geralmente no calcanhar, nas laterais e na planta do pé (tal como um mocassim);
  • Interdigital — esse é o tipo mais comum, que afeta a região entre os dedos e pode se espalhar pela região próxima a eles;
  • Vesicular — menos frequente, mas uma versão mais séria da doença. Forma bolhas na parte de cima e debaixo dos pés, causando feridas.

Em alguns casos, podem surgir fissuras e a expulsão de um líquido, tornando a pele mais dolorida. Se não tratada, essa condição pode ser propícia para a contração de infecções bacterianas.

COMO TRATAR FRIEIRAS NOS PÉS?

Antes de buscar por conta própria formas e soluções de como tratar frieiras nos pés, é muito importante procurar um profissional especializado. Os médicos responsáveis pelo diagnóstico do pé de atleta são os clínicos gerais, infectologistas e dermatologistas. Então, caso você esteja identificando os sintomas, não hesite em marcar uma consulta.

Diagnóstico

Além de perguntas básicas sobre os cuidados com os pés, o médico fará uma análise visual das feridas. Normalmente, isso basta para que o diagnóstico seja feito. Mas caso não seja o suficiente, ainda pode ser utilizada a luz negra para observação ou o recolhimento de amostras para análises laboratoriais.

Só depois de diagnosticada a infecção pelo fungo é que o tratamento propriamente dito é iniciado, também orientado pelo profissional. Assim, ele pode ser conduzido de formas distintas. Quando a condição é recente, o problema pode ser resolvido com o uso de antifúngicos, loções ou pomadas sem receita.

Tratamento

O tratamento com pomadas costuma durar em torno de 4 semanas, com aplicações diárias entre 1 a 2 vezes. Já os de via oral são administrados entre 1 a 6 semanas. No entanto, é importante lembrar que você nunca deve se automedicar. Afinal, o médico, além de fazer o diagnóstico correto, ainda recomendará uma medicação mais precisa e menos agressiva para o seu organismo, evitando complicações.

Nesses casos, é preciso evitar aquelas pomadas que possuam corticoide, já que elas mascaram os sintomas e, consequentemente, acabam atrapalhando o tratamento.

Saiba também que é imprescindível seguir a orientação de dosagem e de duração de tratamento indicada pelo profissional de saúde. Pois, interromper o uso do medicamento antes do tempo pode fazer com que o fungo volte a se manifestar.

Soluções Caseiras

Caso você queira experimentar algumas soluções caseiras antes de partir para os medicamentos, existem alguns métodos naturais que podem ajudar:

  • Experimente fazer escalda-pés com alho, de 2 a 3 vezes por semana;
  • Aplique uma mistura de água com vinagre de maçã no local algumas vezes por dia;
  • Utilize óleo de amêndoas sobre as frieiras;
  • Espalhe mel puro sobre as feridas e deixe agir por cerca de 10 minutos;
  • Esprema o suco de um limão e deixe agir por 5 minutos.

Essas são ótimas dicas para amenizar os sintomas e, até mesmo, tratá-los. Todos esses itens possuem ação antifúngica e alguns até anti-inflamatória.

COMO PREVENIR FRIEIRAS?

A contração do fungo ocorre principalmente pela falta do cuidado devido com a saúde dos pés. Por isso, pouco adianta você tratar as frieiras se não tomar os devidos cuidados para não contrair o fungo novamente. Sendo assim, elegemos algumas dicas para te ajudar a evitar o problema:

  • Limpe e enxugue bem a região dos pés, incluindo o vão dos dedos;
  • Substitua as meias de material sintético por alguma que absorva o suor;
  • Deixe os pés tomarem ar e troque frequentemente as meias;
  • Modere o uso de calçados muito fechados que aumentam o suor nos pés;
  • Não utilize vestiários ou banheiros de pés descalços;
  • Fique atento às suas unhas, caso qualquer sinal esbranquiçado apareça, pode ser um fungo;
  • Prefira calçados abertos e que arejem os pés, como chinelos e sandálias.

Pessoas que costumam passar muito tempo com calçados fechados, submetidos a altas temperaturas e sudorese nos pés estão mais propensas a desenvolver a doença. Por isso é muito importante que depois de utilizar esse tipo de calçado, especialmente quando for praticar atividades físicas, você higienize adequadamente a área e deixe ela respirar.

Também é importante manter o cuidado e a higiene com os tênis. Além de limpos, procure colocá-los sob o sol sempre que possível, afinal, isso ajuda a afastar os fungos e a acabar com a umidade interna do material.

O CALÇADO IDEAL

A escolha do calçado certo influencia muito, evitando a proliferação de fungos e bactérias. Ambientes úmidos, quentes e pouco arejados são propícios para que o problema se espalhe. Melhor do que entender como tratar frieiras nos pés, é não deixar a doença aparecer. Concorda? Por isso, além de todos os cuidados que já citamos, escolher seus sapatos com cautela é fundamental.

É preciso considerar ainda o tipo de rotina que você tem e a frequência com que consegue trocar de calçados e deixar os pés respirarem. Por isso, escolha modelos que, além de serem alinhados ao seu estilo, permitam um melhor conforto. Conheça 10 tipos de calçados masculinos para experimentar!